RI: conheça nosso portfólio e resultados financeiros

6 min de leitura 04 janeiro. 2022

O cenário do empreendedorismo no Brasil

# G2D Investiments
O cenário do empreendedorismo no Brasil

Empreender exige disposição, preparo, conhecimento e coragem para assumir riscos, especialmente quando se fala em empreendedorismo no Brasil. Por outro lado, o mercado brasileiro de startups mostra uma cena pulsante, com bastante espaço para negócios disruptivos.

A partir de agora, vamos entender melhor o cenário do empreendedorismo no Brasil e saber se vale a entrar nesse mercado, tanto abrindo um negócio quanto investindo em marcas inovadoras. Acompanhe!

Empreendedorismo no Brasil: como é ter um negócio no país?

O Brasil tem mais de 18 milhões de empresas ativas de acordo com os dados mais recente do Sebrae, um serviço público dedicado a apoiar os pequenos negócios no país. Destes, mais da metade são microempreendedores individuais, os famosos MEIs.

Segundo o Mapa das Empresas, do Ministério da Economia, o Brasil teve 3,36 milhões de novas empresas abertas e 1,04 milhão de empresas fechadas somente em 2020.

Durante a pandemia, o perfil do empreendedor brasileiro mudou. De acordo com o Sebrae, a quantidade de empreendedores estabelecidos (com mais de três anos e meio em atividade) diminuiu e o número de empreendedores iniciais cresceu.

Além do risco de fechamento, outro problema enfrentado pelos empreendedores brasileiros é o tempo gasto com o pagamento de impostos: são 1.501 horas! Conforme dados do relatório Doing Business, do Banco Mundial, ocupamos o 124º lugar entre 190 economias avaliadas.

A complexidade tributária é um dos fatores que consomem tempo, energia e dinheiro dos empresários brasileiros. Afinal, é preciso cumprir com até 97 obrigações tributárias vindas de regras nacionais, estaduais e municipais. O IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) estima que cada empreendimento deve seguir mais de 3.790 normas. Se imprimirmos todas essas normas, serão seis quilômetros de folhas impressas!

Para o relatório Doing Business, do Banco Mundial, “processos complexos e demorados são um grande desafio para os empreendedores brasileiros”.

Os benefícios do empreendedorismo para a economia

Se mais negócios inovadores surgem, mais riqueza circula em nosso país e melhor é para a economia. De acordo com o pesquisador americano Simon C. Parker, empreendedorismo e crescimento econômico estão diretamente relacionados.

Ao enxergar oportunidades e não temer o novo, o empreendedor abre caminho para desenvolver serviços e produtos disruptivos e que atendem cada vez mais as necessidades dos consumidores.

Uma empresa grande e consolidada, que está há muitos anos no mercado, pode não entender por completo as dores dos consumidores e não lutar com tanto afinco para solucioná-las.

Já os empreendedores tendem a trabalhar com mais paixão, estar abertos para novidades e dispostos a correr riscos. E é dessa forma que produtos inovadores nascem.

Além disso, em um contexto de fortes mudanças tecnológicas e culturais, empreendedores tendem a focar em formas mais eficientes e menos tradicionais de trabalho. Eles ainda ajudam a aprimorar tecnologias já existentes, criar novos produtos e mercados, facilitar o acesso do consumidor, aumentar a eficiência da cadeia produtiva, diminuir custos e desperdícios.

E tem mais um benefício: incentivar o empreendedorismo é incentivar a geração de empregos e o consumo interno. Com dinheiro no bolso e acesso a novas ideias, os trabalhadores/consumidores têm a possibilidade de consumir mais – e assim fazer a economia girar.

Em suma, empreendedores são peças-chave na economia, pois são protagonistas da inovação.

O mercado de startups no Brasil

O Brasil tem mais de 13 mil startups – empresas inovadoras e jovens que geralmente trabalham com ideias escaláveis e arriscadas.

Mesmo enfrentando uma pandemia e todas as dificuldades de empreender no Brasil, 2021 foi o melhor ano da história para as startups brasileiras. Segundo o Inside Venture Capital (relatório mensal produzido pela Distrito), até novembro de 2021 foram aportados US$ 8,85 bilhões em um total de 677 rodadas.

Esse número representa quase o triplo do total de 2020, que foi de US$ 3,65 bilhões. A Loft – plataforma que reinventou o mercado imobiliário – recebeu US$ 425 milhões. Já o Nubank – fintech amplamente conhecida pelos brasileiros – teve uma série de US$ 750 milhões e outra de US$ 400 milhões.

Investimentos em Startups no Brasil em 2021

Segundo Amure Pinho, investidor e ex-presidente da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), “as startups viraram o jogo, estão muito presentes no nosso dia a dia, nos smartphones, nas ferramentas que a gente usa para se comunicar, na forma como a gente compra e contrata”.

O atual cenário trouxe um volume alto de recursos, a volta das megarodadas e um otimismo ainda maior para o futuro, quando novas rodadas devem acontecer.

Como começar a empreender no Brasil?

1 – Comece pela ideia. Procure pensar em produtos ou serviços que resolvam problemas  dos consumidores. Você não precisa reinventar a roda, mas é necessário ter um diferencial para se apresentar ao mercado.

2 – Conheça a demanda e o público. Existe de fato uma demanda pelo que você planeja lançar? Se sim, quem poderia consumir o seu produto? Qual é o seu público? Neste momento, uma pesquisa é bem-vinda. Quanto mais dados você tiver em mãos, mais certeira será sua estratégia de negócios.

3 – Trace um Plano de Negócios. Organize as informações sobre sua empresa em um Plano de Negócios. Ele guiará suas ações. É interessante que o documento contenha: estudo do mercado e da concorrência; descrição do produto e seus diferenciais; definição do público-alvo; modelo de negócio; plano operacional; plano financeiro e plano de marketing.

4 – Formalize a empresa. Se cadastrar como Pessoa Jurídica vai oficializar a existência da sua empresa e é mais vantajoso a longo prazo, ainda que existam alguns gastos. A forma mais simples de fazer isso é abrindo um cadastro como MEI no Portal do Empreendedor – caso você se enquadre nos critérios.

5 – Conhecimento é tudo! Para que um negócio dê certo, não é necessário apenas vontade. Busque especializações, usufrua da internet e dos cursos gratuitos, estude como puder! É importante conhecer não apenas o seu produto ou serviço, mas também gestão, marketing e finanças.

Como investir em negócios de empreendedores no Brasil

Este é um excelente momento para investir nas startups brasileiras. A G2D investe em empresas fora da bolsa de valores, selecionando aquelas que apresentam alto potencial de crescimento. Priorizamos empresas que focam em novas tecnologias para tornar o mundo melhor.

Por meio de nosso papel na B3, G2DI33, qualquer pessoa pode investir em negócios inovadores sem precisar de muito dinheiro e com liquidez de bolsa de valores. Ou seja, os investimentos em Venture Capital não são mais exclusivos de uma parcela da população.

Para ficar por dentro das últimas novidades do mundo das startups e do empreendedorismo no Brasil, assine nossa newsletter.

#

O que é a G2D investimentos

A G2D é uma plataforma global de investimentos em empreendimentos promissores quando o assunto é tecnologia disruptiva e crescimento acelerado. Está listada na B3 como (G2DI33)