RI: conheça nosso portfólio e resultados financeiros

5 min de leitura 09 março. 2022

Como escolher a melhor empresa de investimento

# G2D Investments
Como escolher a melhor empresa de investimento

Depois de organizar o orçamento e pesquisar sobre investimentos, ainda falta escolher em qual empresa de investimento aplicar o dinheiro. Sem essa companhia para fazer a ponte, não é possível investir em nenhum produto do mercado financeiro. 

Por isso, neste texto, vamos apontar quais são os critérios para escolher a empresa, como investir e de que modo dar os primeiros passos na sua vida financeira.

Muitas vezes, dependendo da experiência do investidor, é até melhor possuir conta em mais de uma dessas empresas, na busca pelos melhores produtos oferecidos. Vale analisar tudo: taxas, atendimento, reputação, etc. Acompanhe!

O que é uma empresa de investimento e como ela funciona? 

Uma empresa de investimento é uma corretora de valores, ela faz a mediação entre o investidor e o mercado financeiro. Dessa forma, oferece produtos de todos os tipos, como renda fixa, fundos de investimento, criptomoedas, ações, entre outros. Somente a partir da corretora, os investidores podem acessar aplicações financeiras. 

Há diversos tipos de agentes no mundo dos investimentos, cada um cumprindo um papel específico. Existem as corretoras de valores, os bancos, os fundos de investimento e até fintechs (negócios que desenvolvem produtos financeiros totalmente digitais). Abaixo, vamos detalhar cada uma delas. 

Corretoras de valores

Para aqueles que pretendem fugir dos bancos na hora de investir, é obrigatório ter uma conta em uma corretora de valores. Ela é o principal exemplo de empresa de investimento, uma vez que é conhecida por fazer a intermediação entre o investidor e o mercado. 

As corretoras estão no Sistema Financeiro Nacional, assim como registradas e certificadas na Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e na Bolsa de Valores (B3).

Bancos

Além dos bancos oferecerem serviços tradicionais, muitos deles possuem corretoras próprias e produtos exclusivos para os clientes. Porém, podem apresentar taxas muito superiores à média do mercado, especialmente os maiores bancos, justamente por terem uma estrutura maior.

Muitos investidores também procuram por bancos de menor porte, que oferecem produtos com maior rentabilidade.  

Fintechs

No mercado brasileiro, surgem novos negócios que disponibilizam aplicativos financeiros e carteiras digitais a todo momento. Conhecidos como fintechs, muitos deles oferecem a possibilidade de abrir uma conta-corrente remunerada. Dessa forma, o dinheiro parado na conta possui uma determinada rentabilidade, e o cliente ainda pode ter acesso a serviços semelhantes aos disponíveis em um banco tradicional. 

Fundos de investimento

Os fundos de investimento podem ser usados como ferramenta para ter acesso a outros produtos, como ações, títulos de renda fixa, entre outros.  O capital de vários investidores é aplicado em uma carteira diversa, seguindo a estratégia do gestor, devidamente credenciado na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, a Anbima.

A G2D é um veículo de investimento semelhante aos ETFs, voltados para investidores que querem ter acesso ao Venture Capital, isto é, investir em empresas de menor porte, mas com grande potencial de retorno. Para tornar-se sócio da G2D, basta investir no código G2DI33 na Bolsa de Valores. 

Como escolher a melhor corretora de valores?

Como falamos, o primeiro passo é certificar-se que a corretora está inscrita na CVM, sendo autorizada a atuar no mercado financeiro. Também há alguns selos de certificação, como o da B3, do Tesouro Nacional, que indica a transparência e a segurança da corretora. 

Após esse primeiro passo, o ideal é conhecer os custos que você pode ter por deixar o seu dinheiro na corretora. Veja alguns deles abaixo.

 

  • Taxa de custódia: é um valor cobrado pelo armazenamento de ações ou títulos públicos. Algumas corretoras não cobram. Têm taxa zero. Oferecem isenção;
  • Taxa de corretagem: algumas corretoras de investimento cobram uma taxa por cada movimentação de compra e venda de ativos na Bolsa de Valores. Normalmente, quanto maior for o número de operações, menor é a taxa; 
  • Emolumentos: é uma taxa da própria Bolsa de Valores, calculada com base no volume de ações negociadas;
  • Taxa de abertura e manutenção: assim como alguns bancos, as corretoras também podem cobrar taxas para abertura e manutenção da conta, por isso é importante estar atento.

Entre outros pontos, é interessante que o investidor conheça a reputação da corretora que está escolhendo e verifique se o atendimento é bem avaliado. Além disso, cada corretora possui produtos diferentes entre si, alguns até exclusivos, algo que vale ser estudado pelo investidor. 

Muitas corretoras também já oferecem o serviço de abertura de conta digitalmente, o que facilita e agiliza todo o processo. Nesses casos, o investidor precisa apenas apresentar um documento com foto e preencher as informações solicitadas, fazendo tudo em poucos minutos.

Invista com a G2D

Felizmente, há muitas opções para os investidores escolherem uma empresa de investimento. Porém, vale estudar cada uma delas para abrir conta naquela que mais se enquadra a cada perfil antes de investir em ações, por exemplo.

Após fazer a sua escolha, conte com a G2D para dar os primeiros passos em Venture Capital e ter acesso às melhores oportunidades de investimento em empresas com grandes expectativas. Acompanhe todas as novidades na nossa newsletter.

#

Conteúdos sobre tecnologia, startups e investimentos em Venture Capital e ativos alternativos.