RI: conheça nosso portfólio e resultados financeiros

4 min de leitura 21 julho. 2022

ETF de felicidade e a chance de investir em motivação

# G2D Investments
ETF de felicidade e a chance de investir em motivação

Por trás de todo ETF existe uma pergunta que começa com “como medir?”. Mas no caso de investimentos ESG, o desafio é mais complexo: como criar métricas sobre o comportamento das pessoas? É aí que entra o ETF de felicidade.

O que está sendo chamado de ETF de felicidade é um tipo de investimento ligado ao pilar S (Social) da sigla ESG. Trata-se de medir o benefício que uma empresa gera para as pessoas, sejam elas clientes, funcionários, fornecedores e outros grupos afetados por seus negócios.

A partir de agora, vamos entender os avanços feitos nesse campo até e as tendências para o futuro. Mas antes, vamos recapitular o principal conceito. Acompanhe.

O que é um ETF?

Um ETF é fundo de investimentos que replica o comportamento de um índice financeiro. A sigla ETF significa Exchange Traded Fund: literalmente, fundo negociado em bolsa de valores.

Por essas características, os ETFs são considerados investimentos passivos, aqueles que não demandam a intervenção de um gestor de investimentos, pois sua finalidade é ter exatamente os mesmos ativos que compõem um índice, na mesma proporção.

É por causa dos ETFs, por exemplo, que é possível investir nos ativos que compõem o Índice Bovespa, por exemplo, o principal índice de ações do mercado brasileiro.

Logo, para um ETF existir é necessário haver primeiro um índice. É esse índice que vai determinar quais ativos um ETF deve ter em sua carteira e em qual proporção, além da periodicidade de atualização dessa carteira.

Mas no caso dos ETFs de felicidade, o desafio é justamente em qual índice se basear para montar uma carteira de ações. Vamos ver a seguir as soluções que estão surgindo no mercado.

Em qual índice se baseia um ETF de felicidade?

Como já vimos, para que um ETF exista é necessário haver primeiro um índice em que ele possa se basear. É por isso que voltamos na questão: como medir felicidade, motivação e satisfação ligadas a um negócio?

No caso dos ETFs de felicidade, existem atualmente duas vertentes para construir índices:

  • a satisfação dos clientes, pois consumidores felizes tendem a gerar mais receita para as empresas;
  • a motivação de funcionários no trabalho, o que gera produtividade e, consequentemente, melhores resultados.

Vamos ver a seguir os tipos de investimento que caminham nesse sentido.

ETF ACSI, que mede a satisfação de clientes

Lançado em 2017, o American Customer Satisfaction ETF ou ACSI é baseado em dados do American Customer Satisfaction Index.

Esse índice mede a satisfação de clientes a partir de pesquisas com mais de 100 mil consumidores dos Estados Unidos todos os anos.

Em seguida, usa esses dados brutos para formar o American Customer Satisfaction Investable Index, que o ETF replica.

Nos últimos cinco anos, o ETF ACSI teve um retorno de 43,37% investindo em empresas como Apple, CVS, HP e Microsoft.

ETF ACSI: retorno nos últimos cinco anos

ETF ACSI: retorno nos últimos cinco anos

Human Capital Factor (HCF), um índice criado por Dan Ariely

Como medir o impacto da satisfação de funcionários sobre o desempenho das ações de uma empresa? Como escalar isso para um ETF?

O desafio ganhou a atenção de Dan Ariely, professor da Duke University e um dos principais expoentes da atualidade no campo da economia comportamental.

A partir de seis anos de pesquisa, ele desenvolveu o Human Capital Factor, um índice usado pela gestora Harbor Capital Advisors para criar o ETF HAPY, lançado em fevereiro de 2022.

O ETF investe em ações de empresas com grau mais avançado de felicidade e motivação de funcionários. Na carteira, as principais companhias estão ligadas ao setor de saúde e comunicação. A mais famosa é a Zoom, dona do software de videoconferência. No ano, o HAPY cai cerca de 19%.

Como a G2D pode ajudar a investir em empresas ESG

A G2D Investments é uma empresa com ações na bolsa de valores que investe em companhias privadas de tecnologia e consumo do século 21.

Entre as companhias investidas, a TomboyX é um dos exemplos de negócios ligados ao pilar Social dos investimentos em ESG. Baseada em Seattle, a empresa foi fundada por Fran Dunaway e sua esposa Naomi Gonzalez e produz moda íntima e moda praia para todos os gêneros e tipos de corpo.

Investindo na G2D por meio do código G2DI33 no home broker das corretoras, qualquer pessoa pode ter acesso à TomboyX e a um portfólio diversificado de companhias que têm o cuidado com o futuro como pilar de negócio. Assine a Newsletter da G2D para ficar por dentro das novidades.

#

Conteúdos sobre tecnologia, startups e investimentos em Venture Capital e ativos alternativos.