RI: conheça nosso portfólio e resultados financeiros

5 min de leitura 08 junho. 2022

Follow on: como a venda de novas ações é feita na Bolsa

# G2D Investments
Follow on: como a venda de novas ações é feita na Bolsa

Provavelmente, você já ouviu falar em IPO, a oferta inicial de ações de uma empresa na Bolsa. Esse é o momento em que empresas em expansão abrem o capital e atraem investidores para se tornarem acionistas. Porém, um tema menos comentado é o follow on, a chamada oferta subsequente de ações.

Neste post, vamos explicar o que é follow on e como essa operação funciona, abordando a diferença entre IPO e follow on. Também vamos esclarecer algumas dúvidas, por exemplo, como saber quando as companhias realizam follow on e como participar.

O que é follow on?

A primeira oferta pública de ações de uma empresa é conhecida como IPO, sigla para initial public offer, em inglês. Essa é a grande “inauguração” da companhia na Bolsa de Valores, o momento em que ela abre o capital.

Entretanto, pode acontecer de empresas com capital aberto na Bolsa decidirem vender mais ações visando arrecadar recursos ou expandir as operações. Nesse caso, as companhias realizam o follow on.

Ou seja, basicamente, o follow on é uma oferta subsequente de ações após a fase de IPO. É como se a empresa abrisse uma nova rodada de oferta de papéis na Bolsa de Valores.

Como o follow on funciona?

A operação de follow on pode acontecer com ofertas primárias ou secundárias. No primeiro caso, a própria companhia lança um novo lote de ações no mercado, por um preço determinado por processo de bookbuilding. Já no segundo cenário, um grande acionista põe papéis à venda na Bolsa.

Nas ofertas primárias de ações, a empresa emite mais ações para serem negociadas, portanto, ganha mais acionistas. Assim, há aumento do capital social. Já nas ofertas secundárias, as ações ofertadas já existiam, apenas mudam de mãos. Nesse caso, o capital social não é alterado.

Cabe ressaltar que, nas ofertas secundárias (ou seja, no “repasse” das ações de um acionista para outros investidores), o valor obtido na negociação não se destina ao caixa da empresa, mas aos investidores que optaram por vender as ações da companhia, diminuindo ou encerrando a participação.

Oferta pública X oferta restrita

Uma grande diferença entre follow on e IPO diz respeito ao direito de aquisição dos papéis. IPO é sempre uma oferta pública, ou seja, qualquer investidor pode adquirir ações da empresa que está abrindo o capital. No follow on, nem sempre isso acontece: tudo depende se a oferta é pública ou restrita.

Em ofertas públicas de follow on, os papéis ficam disponíveis para todos que quiserem comprar. Nesses casos, a empresa opta por vender ações a qualquer investidor da Bolsa, exatamente como ocorre no processo de IPO.

Follow on com oferta pública precisa ser devidamente registrado e enviado para trâmites na Bolsa de Valores e na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Essa obrigatoriedade garante a segurança da transação.

Entretanto, também existe follow on com oferta restrita, em que a empresa restringe a compra do novo lote de ações somente para um determinado grupo de investidores. Esse processo é mais simples e menos burocrático, por não exigir registro nem obrigar a empresa a prestar informações publicamente.

Por que as empresas fazem follow on?

Existem alguns motivos que levam as empresas a realizar o follow on. A principal motivação é a necessidade de arrecadar dinheiro para expandir o negócio, seja para lançar novos produtos, seja para abrir novas filiais.

Contudo, pode ser que a empresa queira simplesmente aumentar a liquidez no mercado. Com mais ações circulando, os papéis são negociados mais facilmente, o que é vantajoso para os acionistas e para a própria companhia.

Como saber quando as empresas realizam follow on?

Não é difícil saber quando acontece um follow on, uma vez que esse tipo de informação é disponibilizado pelas próprias empresas, nos sites oficiais. Basta ficar atento aos comunicados caso tenha interesse em participar do follow on de alguma companhia.

Outra opção é ficar sempre de olho nas listas de ofertas em andamento, disponibilizadas no site da CVM e da B3. Também é válido acompanhar a sessão de ofertas públicas do home broker, na qual são disponibilizadas as ações das operações de follow on.

Como investir em follow on

O processo de participar de um follow on não difere muito da participação em IPO. Para começar, o investidor deve ter uma conta de investimentos em uma corretora de valores envolvida na distribuição das ações. Depois, vale pesquisar as empresas que estão com ofertas em andamento.

Escolhida a empresa, o próximo passo é solicitar a documentação necessária para realizar o pedido de reserva de ações à corretora. Nesse momento, você deve informar quanto deseja investir. Então, a corretora fará a reserva no seu nome.

Quando o período de reserva acaba, as corretoras informam aos investidores a quantidade de ações que conseguiram comprar. Esse número pode variar, pois depende da demanda do mercado por aquela oferta. O próximo passo é a transferência do dinheiro para a conta da corretora.

A partir daí, basta aguardar. Em breve, as novas ações da empresa serão disponibilizadas na Bolsa e poderão ser adquiridas. Acompanhe a movimentação dos ativos e concretize o investimento.

Invista com a G2D

Agora que você já entendeu o conceito de follow on, que tal saber um pouco mais sobre a G2D? Somos uma plataforma de investimentos arrojada e disruptiva. Investimos em empresas inovadoras e com grande potencial de expansão!

Com a G2D, você investe nas companhias mais promissoras do mercado e tem uma carteira de investimentos diversificada. Quer saber mais? Entre em nosso site e conheça as empresas nas quais investimos!

#

Conteúdos sobre tecnologia, startups e investimentos em Venture Capital e ativos alternativos.