RI: conheça nosso portfólio e resultados financeiros

4 min de leitura 20 janeiro. 2023

O que são recebíveis

# G2D Investments
O que são recebíveis

Recebíveis são ativos financeiros em poder de uma empresa, geralmente decorrentes de vendas a prazo. Por exemplo: um lojista vendeu um produto a prazo, parcelado em três vezes. Ele ainda não recebeu o dinheiro, mas tem a expectativa de receber. Essa expectativa tem valor financeiro. É o recebível.

O lojista pode antecipar o pagamento, ao vender o recebível. Existem empresas especializadas na antecipação de recebíveis. É o caso da Blu, uma fintech do portfólio de investimentos da G2D.

Como eu recebo um recebível?

A forma mais comum de se obter um recebível é como consequência de vendas a prazo, por cartão de crédito. Mas existem outras formas:

  • depósito em conta;
  • vendas parceladas;
  • duplicatas;
  • cheques pré-datados;
  • carnês;
  • boletos bancários.

Para que serve?

Os recebíveis são excelentes alternativas para pequenas, médias e grandes empresas que almejam ou necessitam de aperfeiçoamentos em sua organização.

São ótimas soluções também para o curto prazo, em ocasiões nas quais essas companhias carecem de capital de giro urgente para resolver algum problema imediato.

Nesses cenários, o recebível atua como uma possibilidade frente aos empréstimos, ofertando a oportunidade de acesso a capital com taxas de juros mais baixas.

Qual o tamanho desse mercado?

O mercado de recebíveis brasileiro encontra-se em plena expansão.

Segundo dados do Banco Central, em 2021 o Brasil registrou R$ 58,8 bilhões de transações de pagamento, que totalizaram R$ 76,9 trilhões. Esses números representaram um crescimento de 40% e 27%, respectivamente, no comparativo com 2020.

Os números de 2022 ainda não estão fechados, mas a Abecs (associação que representa as empresas do setor de meios eletrônicos de pagamento) estimou uma movimentação próxima a R$3,2 trilhões, apenas em recebíveis de cartões crédito e débito, configurando um aumento em torno de 21% em relação a 2021.

Quais são as regras desse mercado?

Em 7 de junho de 2021, o Banco Central Brasileiro (BCB) colocou em prática a Resolução 4.734, em conjunto com a Circular Bacen nº 3.952/2019, com o objetivo de aumentar o domínio a respeito das garantias em crédito oferecidas para negociar um recebível.

Entre as principais modificações práticas definidas pelas normas, está a constituição de uma nova entidade jurídica, as Registradoras de Recebíveis — encarregadas de registrar a Agenda de Recebíveis Futuros de todas as empresas que realizam transações por meio de cartões de crédito.

Qual é o papel das registradoras?

As registradoras tornaram-se as organizações responsáveis por regulamentar o mercado de recebíveis de cartão de crédito no Brasil — instituídas pelo Banco Central.

A rotina dessas instituições permite a centralização dos dados de todos os estabelecimentos comerciais, aumentando a visibilidade das informações sobre recebíveis.

As registradoras podem ajudar na aprovação do crédito, na ampliação da oferta e melhoria dos custos de aquisição dos empréstimos, bem como na rapidez e segurança das operações financeiras.

Além disso, o comerciante também tem acesso ao crédito advindo de diferentes instituições (banco, fintech, credenciadora ou subcredenciadora), com maior rapidez e melhores condições para negociar.

Qual o tamanho do mercado de registro de recebíveis?

A líder no mercado brasileiro de recebíveis é a empresa CERC, com cerca de 80% de participação nesse setor. Ela foi fundada por executivos com experiência no mercado financeiro: Marcelo Maziero (ex-B3) e Fernando Fontes (ex-Banco Petra).

Em 2023 a CERC atingiu a marca histórica de R$ 1 trilhão no registro de recebíveis de cartõessegundo o jornal Valor Econômico. O volume é referente ao total de transações feitas em “maquininhas” de cartões e registradas na empresa desde quando o sistema de registro de recebíveis de cartão entrou em funcionamento, há um ano e meio.

Qual o papel da G2D no setor de recebíveis?

CERC e Blu fazem parte do portfólio de investimentos da G2D. Ao investir em G2DI33, você apoia fintechs inovadoras – e participa do desempenho delas.